Você usaria uma sala secreta no seu local de trabalho?

créditos da imagem: Jeenah Moon for The New York Times

Nos Estados Unidos, esta tal sala secreta  para ambientes corporativos tem sido bastante pedida nos projetos,  aos arquitetos e designers. E, talvez, essa pode ser uma tendência despontando mundialmente.

De acordo com o artigo do The New York Times, publicado em agosto passado, sob o título traduzido de  “Se essas paredes ( e estantes) pudessem falar”, relatando sobre  a tendência e como a existência de uma sala secreta gera  um mistério e  comentário,  com isso chama a atenção para a empresa auxiliando memorização da marca, apoia o trabalho de marketing.http:// https://www.nytimes.com/2019/08/13/business/if-only-these-walls-and-bookcases-could-talk.html

A origem da sala secreta e do espaço de trabalho

No final do século XIX e inicio do XX, surgiu a teoria administrativo/científica do trabalho, elaborada pelo engenheiro mecânico, Frederick W. Taylor que se empenhava em melhorar as técnicas industriais, para melhorar  desempenho e eficiência. Esta teoria ficou conhecida como Taylorismo.

Ela também influenciou enormemente a configuração dos locais laborais. O arranjo de planta dos escritórios lembrava a planta industrial, colocando os postos de trabalho como em uma linha de montagem ou sequencia.

Já nas décadas de 50 e 60 nos Estados Unidos, foram desenvolvidas novas configurações e vários sistemas para uso do espaço corporativo. Estas propostas eram novos olhares para o uso e aproveitamento espacial nos escritórios.

O chamado sistema Bull Pen colocou os cargos de chefia nas periferias dos pavimentos.  Na sequência desta proposta, veio o Single Office, como o nome já diz, escritório individual. Na década de 1960 surgiu o Executive Core, onde as chefias foram para o centro do pavimento.

Após muitos experimentos de melhor uso do espaço, chegou a vez do conhecido Open Plan ou planta livre, sua inovação era a integração e exclusão de paredes.

Paralelamente, na Europa foi a vez do Office Landscape ou escritório panorâmico, sem paredes também e totalmente integrado. Estes dois últimos experimentos foram bastante inovadores para sua época.

Imagine um pavimento inteiro de um edifício de escritórios totalmente integrado, onde todos falam com todos, e esta era a busca pela comunicação fluindo sem barreiras.

Porém, após tantos ensaios e desejo de acertar, viu-se em estudos para análise de desempenho do espaço que a equipe ficava sujeita a muitas distrações, sem conseguir se concentrar.

De lá para cá, muito já se pesquisou sobre este tema e a busca por novas maneiras de tornar o espaço de trabalho mais eficiente, amigável e produtivo.

O cenário atual

Hoje a disrupção é muito presente e com ela vem novos questionamentos. A busca ainda é a mesma de aprimorar o ambiente sob todos os aspectos. Por exemplo,  hoje temos em muitas corporações com salas de descanso, cantos de exercício criativo, espaços com mesas altas para reuniões rápidas, espaços para lazer e coffee shop.

Neste cenário, vemos o surgimento da sala secreta. Elas ficam ocultas de todos os  olhares, pois normalmente estão atrás de estante de livros ou parede móvel. Não dá para saber que estão ali, você precisa saber como abrir essa porta oculta, o que nos remete ao conto de Aladim e o famoso abre-te sésamo!

Esta ideia não é nova, pois as grandes pirâmides já tinham  suas câmaras ou salas secretas, castelos medievais, os games e até no filme Harry Potter. Podemos dizer que elas sempre incitaram a curiosidade e descoberta, consideradas um espaço exclusivo, privativo, silencioso e inusitado, bacana!

Conclusões sobre a tendência das salas secretas

O que temos que perguntar é: se a integração total e a conectividade plena dos nossos dias estão abrindo espaço de novo para o isolamento, ainda que por curto período. Será que a concentração e a sutileza de momentos de profunda criatividade estão cobrando seu espaço?

Talvez neste mundo hiperconectado, estejamos precisando de um pouco de solitude, desejosos de privacidade e esta é uma ótima reflexão. Será que a resposta é termos uma sala secreta? Ou continuar a aposta na integração total dos ambientes de trabalho?

O que você acha?

Deixe seu comentário.

Maitê Orsi

2 comentários em “Você usaria uma sala secreta no seu local de trabalho?”

  1. Muito bacana o artigo!

    Acho que todo o movimento tem sua continuação, talvez após um grande período de dominio do open plan as salas secretas sejam a nova tendência!

    1. Adorei seu raciocínio de ciclo, creio muito no movimento yin-yang. E o que ele nos ensina é que alcançar o ápice de uma das partes, representa seu fim e o início da outra parte. O mesmo que dizer que o máximo do ciclo do yin representará o início do ciclo yang.
      Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *