Casa saudável [Parte 5] Sabia que a Geometria Sagrada pode estar em todos os ambientes?

A história da geometria sagrada começa nas formas da criação, quando o uno e não manifesto torna-se manifestado na matéria, nas proporções da sequência Fibonacci ou proporção áurea.

Todos construídos através da linguagem geométrica, contidos em cada coisa do mundo material, desde a intimidade do mundo subatômico onde cada átomo ou molécula cada célula viva, cada estrutura da natureza, contém sua forma descrita geometricamente em proporções harmoniosas.

Novamente na série Casa Saudável, estamos falando em conhecimentos ancestrais, como por exemplo, o Feng-Shui. Porém falamos sempre em aplicações muito atuais e com comprovações científicas. Vamos então decifrar a geometria e o porquê de ela se chama sagrada!

Passada geral pela matemática para compreender melhor

Para nos situarmos nesta área da matemática, temos na geometria subdivisões, tais como a geometria plana, a analítica e a espacial.

A classificação da geometria pode ser de: geometria euclidiana ou plana, que segue os axiomas ou verdades de Euclides e a não euclidiana, que não segue os axiomas Euclidianos e onde estariam a geometria elíptica, hiperbólica e a fractal, apresentada por Gauss e Riemann.

Euclides foi um eminente matemático grego, considerado pai da geometria, por isso uma de suas partes chamamos de geometria euclidiana.

Vamos passar por nomes como Archimedes, Tales de Mileto, Descartes, chegar até Platão, que nos trouxe uma análise muito importante para compreensão da geometria sagrada. “Os números governam o mundo” Esta frase é de Platão, este filósofo e matemático grego, que em sua escola de mistérios nos trouxe o conhecimentos dos poliedros (ou figuras geométricas)  denominados sólidos platônicos (5 poliedros, denominados por Tetraedro ou figura de quatro lados, Cubo ou figura de seis lados, Octaedro ou figura de 8 lados, Dodecaedro 12 lados e Icosaedro, 20 lados)

Estes são os sólidos platônicos.

Desvendando o mistério

O nosso objetivo aqui é desvendar o mistério de por que ela é chamada de sagrada!

Não vamos agora ter que calcular e nem conceituar aqui as geometrias neste artigo, só estamos passando rapidamente para nos situar e relembrar, então vamos sim ver qual é seu impacto sobre nós e o ambiente, e ver que depende também da combinação que fazemos nas proporções e medidas dos ambientes. A geometria sagrada pode ser comparada a uma linguagem e, sendo assim, vamos chamá-la de linguagem da criação.

O número Phi foi descoberto por Phidias, um arquiteto grego que construiu o Partenon na Grécia, logo o número leva o nome de seu criador. Seu valor é de 1,618, este número tão importante para a matemática e seus descobrimentos, se encontra até na folha de papel A4 que usamos todos os dias no escritório e que representa a proporção áurea.

O valor do Phi é equivalente à razão da proporção áurea, que é observada em geometrias da natureza e foi usada por grandes mestres da pintura como Leonardo DaVinci.

Também podemos chamar a proporção áurea de escala fractal (do latim fractus, quebrado, fracionado).

Podemos vê-la na matéria em que o universo está formado, dos átomos às galáxias. Pois até nos pequenos grãos de areia há um padrão invisível de repetição em ‘construção’ que forma tudo.

A flor da vida

Já a flor da vida vista nesta imagem representa a geometria do vácuo numa visão mais quântica, e é a exata reprodução dos estágios iniciais desde a fecundação do óvulo em suas fases de divisão celular. Repare no vínculo de a flor da vida ser um símbolo importantíssimo dentro da geometria sagrada, veja que a flor da vida representa o início da criação. Em duas dimensões a flor da vida terá 64 anéis e em 3 dimensões (geometria dos sólidos ou espacial) terá 64 tetraedros, que são poliedros de 4 lados.

A flor da vida.

Nome de Deus na linguagem matemática

Os Tetraedros têm uma forma tão harmônica e dissipa as tensões tão uniformemente que são a personificação do equilíbrio: chamado também de Tetragramatom (nome de Deus). Na cultura hebraica Deus era representado por um tetraedro, com as letras YHWH, ou Tetragramatom (ou o nome de Deus).

Pensando nisto onde tudo é gerado pelo vácuo, surge do vácuo, do imanifesto, dando origem ao cosmo manifestado. O mundo material, aquele que irradia.

O espaço vazio e a matéria

O que compõe essa confecção do tecido da matéria em todo o universo é o espaço, o vazio ou o vácuo. No mundo das partículas, átomos, o espaço ou o vácuo representa 99,9999999…% ou seja, o mundo material tão sólido aos nossos olhos é mais vácuo (vazio) do que matéria, isso por si só, já é um milagre.

Algo sagrado, filosoficamente falando. E isso ocorre do micro ao macro, da multiplicidade para a unidade e vice versa num ciclo contínuo. Tanto para dentro de nós mesmos como para fora!

Tanto para dentro da estrutura do átomo quanto para os confins do universo.

A origem do símbolo do Yin/Yang

O Torus ou toróide, (torus duplo), veja a imagem que deu origem ao símbolo do yin e yang é a representação do torus visto de cima. O torus duplo que em sua forma dinâmica ou em movimento, em 3D, tem a energia saindo pelo equador e retornando pelos polos da forma geométrica.

O Yin/Yang é um dos símbolos mais significativos do I Ching (arte divinatória que usa os hexagramas) e do Feng Shui, os quais também têm o I Ching em seu centro, portanto traz o mesmo simbolismo.

O movimento continuo da energia yin e yang

Como este conhecimento chegou até nós?

Povos da antiguidade nos deixaram muitas informações sobre como se estrutura a criação e a essência que as anima. Não se trata de unicamente um olhar material e sim de um olhar para a matéria em harmonia com a sua essência de vida, a energia vital, lembra-se do Chi no Feng Shui?

Os monumentos megalíticos do passado estão repletos de citações simbólicas como a flor da vida, vesica picis, o tetraedro. Os construtores de catedrais na idade antiga também guardaram, transmitiram e aplicaram estes conhecimentos, pois desde a escolha do local até a sua orientação era toda feita através destes parâmetros da geometria sagrada.

Os arquétipos dos números de Zero a Dez

A decifração dos arquétipos ou símbolos que contém um número imenso de informações do inconsciente humano. O arquétipo dos números também nos auxilia na compreensão de todo o conhecimento embutido na geometria sagrada:

0-O zero é o não manifestado. O estado imanente de tudo.

1-O número um é o uno, a perfeita unidade, o ponto.

2-O positivo e o negativo, a vesica piscis

3-O número três, representa a trindade, o entrelaçamento de 3 círculos, a partir do 3 se manifestam os polígonos

4-O número quatro, a manifestação da vida na matéria através dos 4 elementos, fogo, terra,ar e água. As quatro forças criadoras: pensamento, sentimento, energia vital e a ação.

5-O número cinco é o quinto elemento, representado pelo pentágono.

Simbolizado pela transmutação do mundo interior, ou a compreensão de si mesmo na interpretação dos 4 elementos, pensamento, sentimento, energia vital e a ação.

A quintessência é a compreensão do ser humano, buscando sua elevação interior através dos 4 elementos ( água, fogo, terra e ar) e seus reflexos em nós que são, o pensar, o sentir, o querer e o agir.

6-O número seis representa a transformação da consciência humana em espaço criador.

Na sequência, o ser humano, os quatro elementos, a quintessência reúne em si espírito e matéria e torna-se assim criador.

7-O número sete representa a nossa consciência olhando para as sete forças da vida: os sete, chakras, as sete cores do arco-iris, as sete notas musicais. É a compreensão destes 7  arquétipos na consciência.

😯 número oito, representa a eternidade, simbolizado por 2 quadrados entrelaçados.

9-O número nove, é a manifestação do ser humano espiritual, o ser humano completo.

10-O número dez, é o todo manifestado e não manifestado, a síntese do plano universal.

Por essa visão geral da geometria sagrada e pelos arquétipos de números, temos a chave para harmonizarmos o sutil/subjetivo, quintessência humana, interagindo em todos os 4 elementos, onde tudo se harmoniza num padrão de manifestação que podemos ler como linguagem matemática.

É também o reconhecimento dos fenômenos da natureza e como interagir com respeito e sabedoria para co-criar em harmonia e no nosso mundo particular: a casa.

Para entendermos, vamos focar na ideia de campo (espaço e partícula) e tudo estando em constante interação no cosmo, a energia que vivifica, constrói e estrutura a matéria.

Do micro ao macro, a beleza da vida e a sua expressão geométrica, inspira e convida-nos a nos harmonizar com nossos ambientes

Olhar do micro ao macro cosmo, orienta e inspira para cuidarmos do nosso mundo ou ambiente. Sabendo de toda esta profundidade, podemos vislumbrar a inteligência que há em todo o universo manifestado e a interação que esta inteligência nos oferece. Podemos assim participar como co-criadores.

A geometria sagrada nada mais é do que uma forma de descrever da unidade não manifesta até a síntese suprema.

Dessa ciência toda, podemos aproveitar muito dessa interação dos elementos, como por exemplo: a localização do imóvel, orientações cardeias, formas e proporções dos ambientes e como nossos espaços se apresentam e interagem conosco. Estes elementos têm total importância para o nosso bem estar e nos mostram como devemos estar atentos e gratos ao conjunto de conhecimentos ancestrais para alcançar vidas mais plenas.

Temos nas mãos agora, mais ferramentas para nosso bem estar e saúde ótimos.

Dentro de uma casa saudável realmente, que possa nos inspirar e criar a atmosfera para podermos cuidar melhor de nós mesmos e nossas famílias reforçando a relação com os nossos ambientes.

Esses conhecimentos são verdadeiros presentes que recebemos de nossos ancestrais e devemos aplicá-los com respeito e gratidão. Hoje, eles já são validados pela pesquisa científica, como neurociência, eletromagnetismo, química e física quântica.

Estou muito feliz em poder compartilhar todos estes conhecimentos com vocês, fruto de longos anos de estudo e que estão recebendo de uma forma simplificada e aplicável!

Na próxima semana temos mais um capítulo da série Casa Saudável com os incríveis recursos das cores e o que elas podem fazer para incrementar nosso dia-a-dia.

Espero seu comentário!

Até lá

Maitê Orsi

http://www.alldesignrp.com.br/contato-localizacao

2 comentários em “Casa saudável [Parte 5] Sabia que a Geometria Sagrada pode estar em todos os ambientes?”

  1. Maitê, belíssimo texto , elucidativo sobre um tema tão abrangente como a geometria Sagrada .
    Passa completamente despercebido para a maioria das pessoas , o quanto há de influência , nas nossas casas , nos nossos móveis , utensílios, nos nossos devices tecnológicos, e nas nossas cidades , tudo sempre tem um toque deste conhecimento.
    O qual foi conquistado pelas gerações que nos antecederam e nos brindaram com este conhecimento tão importante e belo .
    Grato por trazer este tema para sua série a Casa Saudável.

  2. Eduardo, adorei seu comentário pois a cada colocação temos uma ampliação do assunto! Você também é profissional que lida continuamente com a forma e você sabe o quanto aprecio e respeito seu trabalho, sabe como poucos da importância do assunto tratado.
    Muito grata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *