Você já pensou como o ambiente te afeta?

“Bora” colocar atenção nisso, porque:                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                   

A nossa vida é o produto de como nos               relacionamos com o universo!

Para entender como o ambiente nos afeta, temos que olhar desde o nosso interior, passando pelo exterior, nossa casa e espaços que passamos mais tempo, indo até as estrelas. 

Como diz o Feng-Shui, o conhecimento milenar ancestral de harmonização dos ambientes, as relações estabelecidas entre  o ser humano, a terra e o céu.

Nós não somos uma existência individual, somos uma sincronia, uma rede de tudo que nos cerca e que principia desde nosso interior reflete para fora e vive um ciclo de emissão/recepção ou constante fluxo de feed-back.

Sincronia com a natureza é a chave de termos saúde, um simples exemplo e o ciclo circadiano, ou dia/noite para calibração de nosso sono e atividade com disposição.

Na atualidade, nos encontramos tão desconectados que achamos que esta desconexão é a nossa natureza. 

Como estamos agora:

Precisamos refletir e acompanhar o ritmo da vida, natureza, cosmos, em sincronia, significa para nós uma existência mais harmônica e equilibrada.

São muitas forças que nos sensibilizam, atuam, interferem, participam e fazem de nós quem somos e automaticamente como nos sentimos.

O que é acertar o sincronismo com toda a vida, são tantos os mecanismos operantes neste cosmos que precisamos estar em harmonia com eles.

A humanidade como um todo, nos dias de hoje, está enferma. Os números estatísticos de enfermidades é alarmante. Obesidade, uso de remédios de uso continuo, diabetes mellitus, depressão e tantas mais.

Este fato pede de nós uma profunda reflexão pois além de cuidar do como nos alimentamos, temos atividade física, descanso e todos ritmos que estabelecemos, temos que nesta equação incluir sem duvidas os nossos ambientes.

Vamos olhar os detalhes e todas as relações para entender mais:

O Corpo:

-o poder das praticas físicas e inegável em nosso bem estar, devem ser feita de acordo com a nossa preferência e bem orientadas pelos profissionais da área. Restabelecer a sincronia de estar em ritmo com a vida do planeta, a natureza. A sabedoria ancestral recomenda: o corpo é um sistema que foi feito para o movimento.

-Alimentação Saudável, …. a orientação e personalização de uma rotina para dar ótimos resultados é muito importante pois um profissional nutricionista ou nutrólogo podem podem dar a vc os atalhos para obter melhores resultados em menor tempo. Mas a regra da vovó de escolher ingredientes frescos e naturais, sem contaminantes, evitar todo e qualquer excesso é sabia também.

-Ambiente, a reverberação deste ambiente sobre nós no âmbito físico, mental e espiritual é digno de prestamos atenção.

A Mente e o espírito:

Exercitando a mente em seu modo tempo presente.

-tenha um cantinho devotado ao sagrado, dedicado ao contato com seu interior. Para isso podemos praticar meditação e mindfulness. Estas sao ferramentas de auto-conhecimento.

  • além da meditação e mindfulness, devemos falar em Feng-Shui, pois este conhecimento multimilenar tem muito a nos ensinar sobre o equilíbrio que precisa ser estabelecido para entre nosso templo, corpo/mente/espírito com este ambiente que é o templo do nosso templo.
  • A nossa mente funciona em sua maior parte no modo inconsciente, ou seja 95% do tempo e só 5% em modo consciente, pela mente lógica e analítica. Sendo assim veja a importância de meditar para aumentar a interação entre inconsciente e consciente, serenidade a mente e manter um padrão harmônico de ondas cerebrais. 

Conexão com o ambiente e natureza:

Estar em conexão, isso não é incluir um modo a mais, isso significa estar no modo.

Colocando a sua atenção em seu ambiente:

-na serie que escrevi intitulada de Casa Saudável, abordo vários âmbitos para nos tornarmos cientes de como nosso ambiente contribui positivamente ou não.

-Um aspecto de fundamental importância dentre os outros abordados, que nos dá ritmo, quando falamos em respeitar o ciclo circadiano, estamos simplesmente falando: entre no fluxo da natureza, este marcador que temos nos pede equilíbrio, para termos um dia de atividade com muita disposição e uma noite de sono profundo e reparador. A receita é simples, expor-se por alguns minutos ao sol, e a noite evitar a frequência da luz azul, só isso ja faz este milagre da natureza funcionar.

-Estar em conexão com a natureza significa estarmos acompanhando o fluxo de energia que mantem a tudo no cosmos, há um ritmo, um movimento.

-O ambiente tem muita importância nestes itens pois estamos a maioria de nosso tempo em ambientes internos, na verdade são em torno de 90% do nosso tempo, isto é muito mais do que imaginamos, ou parece que nem tanto, mas na verdade esta é a media de tempo, incrível não é?

Há um numero crescente de pessoas que desejam obter mais da sua existência e este artigo e para você que busca isto, o aprimoramento continuo é parte da nossa natureza, mas não nos esqueçamos que cada um tem seu ritmo e tempo próprios, quem tem pressa de se aprimorar pode olhar com respeito amoroso a quem quer ficar exatamente onde está.

Como engrenar nossos relógio biológico com o da natureza.

Temos um ritmo ou ciclo circadiano, regulado pela luz e pelos ritmos da natureza como fases da lua, temperatura, luz solar.

Neste aspecto, podemos enfatizar a importância da natureza em nossas vidas, o contato com ela nos auxilia de muitos modos, incluindo a calibração do nosso ritmo. Além do ciclo circadiano, obedecemos vários ritmos em âmbitos energéticos por exemplo, em aspecto de percepção, ou aquilo que chega via percepção através dos nossos sentidos.

E preciso mudar!

Temos que repensar nosso estilo de vida, pois nossa relação com o ambiente tem que ser vista, elaborado e corrigida em que for necessário, podemos repetir com constância os hábitos errados que desconstroem nosso bem estar.

Vamos enumerar algumas boas praticas para obtermos bons resultados:

1- Reconhecer a importância do ambiente em nossa vida, trabalhar par que ele seja harmônico e auspicioso.

2- Elaborar o ambiente da casa ou escritório de maneira que ele possa oferecer uma rotina de praticidade, comodidade, alegria. Para se obter isto temos que ter olhos para móveis inteligentes,  capazes de interagir com nossas necessidades de armazenagem, uso e beleza.

Ressalto aqui a importância de um ambiente bem projetado.

3- Incluir a natureza, sua sabedoria natural e fluxo na nossa casa. Tenha plantas, cuide bem delas. Eu tenho uma cliente muito querida que conversa com suas plantas e tem vasos maravilhosos, sempre floridos, como se agradecendo a forma amorosa e interativa.

4- As plantas dentro de casa, ar limpo e fresco, beleza e equilíbrio, cores belas e harmônicas, funcionam como nutrientes para nosso ser. 

A casa precisa estar limpa e organizada, o ar de ótima qualidade sem poluição química. A iluminação natural deve ser abundante e com possibilidade de controle.

5- Organização conta muito para a nossa paz interior pois ficamos com a impressão de tudo esta em seus lugares e não perderemos tempo para infinitas procuras se de algo precisarmos nos objetos guardados.

6- Ambientes bem iluminados, deixe o sol entrar por pequenos espaços de tempo pois ele renova a energia e tem efeito asséptico, ou tem o poder de eliminar micro organismos nocivos a saúde.

7- Cuide do silêncio mas também cuide do som. Lembre-se que boa musica nos faz bem e traz alegria, sons da natureza nos reequilibram, o som é um estimulo qualificado para criatividade e bem-estar.

8- Imagens e quadros, assim como objetos, devem te provocar boas impressões, como alegria, positividade e bem-estar.

9- Investir em qualidade pois isto significa ter que trocar menos, ter um objeto ou móvel que tenha valor emocional e boa qualidade, isto resultará em durabilidade na composição.

10-Lembre-se de ter um cantinho privativo, silencioso, onde possa praticar sua meditação ou qualquer ato de fé pois isto reforça nosso interior.

Espero que encontre nestes itens assunto para colocar em prática, lembre-se que olhar amorosamente para o ambiente nos enriquece e acrescenta qualidade de vida e bem-estar.

Agora você tem ferramentas para compor o ambiente que te afeta para seu bem-estar e qualidade de vida.

Viver de modo mais completo, feliz e harmonioso nos leva a uma existência mais plena!

Deixe seus comentários ou perguntas, terei prazer  em responder.

Obrigada por estar conosco.

Beijos

Maitê Orsi

Você sabia que o estilo clássico pode retornar como tendência para 2020?

Porquê usamos e abusamos do estilo retrô em pleno século XXI? Hoje vivemos no futuro ou no passado?

Piso de mármore, moveis de estilo, lustre de cristal. A opulência e simetria combinadas.

No estilo de um ambiente, ou seja, como ele foi pensado, seja ele clássico, vintage ou retrô, ou outro, estamos falando de modos estilísticos gerados em tempos passados, ou seja ao adentramos um ambiente em estilo conforme citado, voltamos instantaneamente ao passado ou na sua época de criação, isto ocorre como em uma viagem no tempo. 

Uma pergunta verdadeiramente intrigante é porque hoje, em pleno século XXI, voltamos nosso olhar para o clássico, ou para o passado e este estilo é novamente tendência?

Vamos analisar e questionar porque, entender e observar este comportamento num gostoso exercício de análise. 

Vamos entender porque todas as vezes que ansiamos pela tradição, há um contexto de incerteza e forte sensação momentos de turbulência e isto motiva a busca por referências que tragam segurança.

Conhecendo melhor o estilo clássico:

O período clássico refere-se ao século IV e V a.c., marcado pelas colunas e volutas, molduras e arremates características da Grécia antiga.

Linhas clássicas são simétricas, (equilíbrio geométrico na composição de peças, geralmente deixando um lado igual ao outro) remetem à sofisticação, trazem a sua herança antiga greco-romana e que ao longo do tempo foi enriquecida pelas decorações inglesas e francesas, e que foram renovando e incorporando outros detalhes ao estilo que hoje chamamos de clássico. 

Muitos lustres de cristal, móveis imponentes, mármore no piso, cortinas longas em veludo ou brocado, prataria e cristais, abajures e flores pelo ambiente, assim se apresenta o ambiente clássico. Há sempre um clima de sofisticação festiva marcante, além da opulência e riqueza que deseja expressar visualmente.

O Vintage e o Retrô 

Já o estilo a que chamamos vintage, consagra o século XX como sua grande referência, com as revoluções que houveram no design de móveis, as peças como a poltronas do casal Charles e Ray Eames ou a poltrona Barcelona, tornaram-se ícones do design e de elegância e bom gosto. Peças autênticas ou seja feitas nas décadas de 20,30,40,50, ate os anos 90 são cultuadas como representação da época.

Hoje são chamadas de clássicos do design e muitos moveis ganharam este status.

Já o chamado estilo retrô, olha para o passado com admiração, usa os elementos dele como se fossem a sua bandeira de bom-gosto mas usa o estilo passado com peças produzidas hoje como cópias deste admirado passado.

Este passeio no tempo, do clássico, passando pelo século 20 nestes clássicos do design que  também acabaram sendo considerados atemporais, ou seja aquilo que não sai de moda, que cabem na definição de um clássico.

Seria uma hesitação em relação ao futuro?

Enfim, estamos em pleno século XXI mas me parece que olhando para o futuro com hesitação. Só lembrando que nas décadas passadas falávamos nesta década que estamos de modo a que materializasse nossas expectativas sobre o futuro idealizado.

Realmente hoje a tecnologia nos traz inovações em todos os aspectos, tornando os materiais mais práticos e versáteis, ela está presente em tudo de simples dispositivos como nossos fones de ouvido até RA ou realidade aumentada ou IA ou inteligência artificial, empresta um design avançado e inovador. 

Até em um estilo clássico ou retrô, que trazem uma estética de antiguidade, a tecnologia estará embarcada nos dias de hoje, com a exceção de peças originais e autenticas antiguidades.

Porém a estética do antigo hoje, fala muito de nossos sentimentos e emoções mas sobretudo de medo ou incerteza e é este o ponto que queremos entender. Claramente a escolha pelo estilo do passado, opulento, requintado será uma busca pela segurança aparente, um refúgio para tempos de incerteza?

Vamos falar mais em detalhes sobre isto que parece ser a peça chave deste questionamento.

No design de interiores se busca No geral, uma série de qualidades para dar ao espaço todos os recursos esperados e hoje as pessoas esperam ter conforto, buscam uma elegância atemporal, não especificamente a do clássico, pois as tendências do momento, ou do ano, são fugazes e talvez uma linguagem contemporânea não expressará a segurança almejada.

Há uma opção de estilo que não seja o clássico?

Com toda a certeza, sim! 

Aliás há uma infinidade de estilos, alem de uma leitura própria e mais atualizada do próprio clássico.

Começamos a analisar pelo fato de que hoje temos um telefone celular que tem uma capacidade de processamento, que há 10 anos seria inimaginável, também sistemas de controle e automação (domótica) para controle de iluminação, som e imagem, persianas, eletrodomésticos conectados a internet das coisas, bem como tecnologia fotovoltaica para gerarmos nossa própria energia e uma infinidade de itens tecnológicos que sonhávamos há poucos anos atrás.

Por outro lado temos que vestir esta tecnologia com um estilo A ser eleito.  O estilo clássico representou uma época, foi capaz de emoldurar um longo período no passado, representando simetria, equilíbrio, luxo.

Se o clássico representa tudo isso apontando para seu glorioso passado, o que ou qual estilo nos representa de fato nos dias atuais?

Mudança de Paradigmas no modo de viver/habitar

Estamos em um momento da história humana em que muitas coisas naturais e que havíamos esquecido, vem fazendo sentido, como cuidar mais de nós mesmos e sermos mais conscientes de nosso ser, físico, mental e espiritual. Valorizamos gradativamente a expressão de nosso sentimento e identidade, nossas emoções, conforto (este está e sempre esteve na pauta do ser humano), respeito o meio-ambiente, consumo responsável entre tantas ideias, conceitos e sobretudo já incorporamos a ideia de que sem saúde e qualidade de vida, ficamos longe de poder ter uma vida em alta performance.

Sendo assim algumas tendências estilísticas que não o estilo clássico também podem nos representar de maneira mais genuína e coerente com os nossos tempos atuais, talvez muito melhor que o clássico e de modo mais atualizado, faria muito mais sentido não sermos tão anacrônicos ou deslocados no tempo.

Então como resolveremos o dilema de usar um estilo como há séculos atrás em aparência mas portando tecnologias do século XXI?

A escolha do estilo clássico reflete sobretudo um olhar nostálgico e uma busca por segurança de tempos que já se foram e que representavam o melhor para aquela época em que estavam sendo  a tendência.

Talvez o nosso olhar mais confiante no futuro, sem nos sentirmos como estando em tempos tão  turbulentos, mesmo que estejamos, seja a solução para uma renovação maior, visto que a aparente calma passada pelo período clássico em sua época de apogeu na antiguidade é amplamente ilusória pois foi um período marcado por enormes mudanças e sendo assim, reconheçamos que a calma e a paz do nosso espaço depende mais de uma atitude de nós mesmos. E do nosso estado emocional permeando as nossas coisas preferidas do que um estilo em particular.

Um estilo que nos represente hoje, nos atualizaria e nos colocaria no aqui e agora, quase um mindfulness  (técnica para experimentar mentalmente o momento presente) só que no âmbito estético, porém aprofundando a nossa experiência cotidiana com níveis maiores de qualidade de vida, trazendo elementos que a cidade nos sequestra, que são boas doses de natureza, ar puro, materiais com ótimos níveis de biossegurança, livres de COV’s como disse na série de artigos Casa Saudável e também que possa falar muito de perto em nosso coração para aumentar o nosso amor e ligação com o nosso espaço.

Mix and match sensations, talvez possamos dar esse o nome.

Um mix and match ou seja uma junção, mistura de elementos diversos que possam representar as nossas próprias posições e preferências neste período, no âmbito pessoal ou familiar. Cunhei esse termo para tentar expressar algo que estamos em busca por entre as rachaduras do estabelecido.

Algo que possa transmitir um pouco da nossa crença e convicção atual, com os olhos no bem estar e conforto, visto que a casa deve ser promotora de bem-estar e saúde também, para isso a adoção de materiais, sistemas tecnológicos, signos e símbolos, cores,  tem que ser escolhidos a dedo.

Estamos em meio a muito conhecimento nos dias de hoje e ele deve ser aplicado e refletido no nosso dia a dia para nosso bem-estar, nos oferecendo o que há de melhor em experiência de uso e convivência.

Devemos reconhecer o quão ativo, repercussivo é o papel do ambiente em nossas vidas e como este é capaz de produzir uma infinidade de efeitos para nosso bem ou mal estar, reconsiderando a definição de habitar, para tornar nossa experiência mais plena e qualificada.

A responsabilidade de projetar com excelência encerra esta definição que foi comentada em parte e acrescenta mais elementos importantes na confecção de um ótimo projeto, com toda a tecnologia disponível, para que o usuário possa experimentar de forma mais integral este espaço e obter muito mais nesta experiência de viver independente da escolha de um estilo propriamente dito.

E você, o que acha do estilo clássico? Ele te representa?

Qual é o seu estilo preferido?

Deixe seus comentários ou perguntas.

Beijos

Maitê Orsi

Porque o Design Biofílico é tendência?

O ambiente interno ganha vida com a natureza como sua parte integrante e isso reflete em nossa saúde.

Saiba da importância dele na sua vida.

Ele vai aumentar a sua conexão com a natureza e isso por si só ja é muito importante para reduzir o stress e melhorar a sua saude e bem estar.

No Design Biofílico a natureza esta presente de modo direto, de modo indireto e nas condições do espaço criando em nos uma ressonância de harmonizar nosso corpo, mente e alma.

A conexão do nosso ser com a natureza e inegavelmente simbiótica, ou seja viemos dela em todos os detalhes da nossa constituição do mundo atômico, ou seja nossos átomos são compostos de matéria que há aqui no planeta, nos nos alimentamos, respiramos, nos nutrimos do que a nossa terra nos oferece.

Comprovadamente nossos corpos físicos são compostos de matéria que já pertenceu as estrelas, assim sendo a nossa vinculação esta clara, não só com a natureza mas sim com todo o sistema inclusive o cósmico.

Então é uma atitude inteligente e sensata estarmos mais perto da natureza para ativar e recarregar nossa energia.

Houve um distanciamento nosso da natureza no Design de nossos espaços e perdemos o Design Biofílico em nosso passado:

Os edifícios são representação de nossos conceitos e nossas crenças

(Exemplo, as catedrais e templos representam a espiritualidade e a fé, a grandeza do mundo espiritual.) Os nossos prédios são o resultado da cultura vigente em cada período da humanidade, ha uma história construída que nos leu ao esquecimento de nossa verdadeira necessidade.

Estabelecemos um sistema de viver, fomos aos poucos nos desconectando do que chamamos hoje de Design Biofílico, porém  necessitamos de tudo que o planeta nos oferece e renovamos nossa saúde através deste sistema, por isso a reconexão esta sendo propagada.

Na historia da civilização, temos em um grande período de tempo uma escalada de construções desconectadas com a natureza, desde que abandonamos os moldes da arquitetura vernacular que se trata de uma arquitetura ancestral passada pela tradição de geração em geração pois foi herdada, a sua principal característica é uso dos recursos locais e sistemas de amenização de fatores climáticos, criando assim um elo conectivo natural entre nós e o meio.

Fazendo uma reflexão porque nosso ambiente deve ter um Design Biofílico:

Vamos nos imaginar nas situações abaixo:

  • Na visão do céu diurno ou noturno. Ela nos provoca uma sensação de aprofundamento em nós mesmos, sensação de pertencimento.
  • O rico aroma de plantas e flores pode nos transportar em lembranças.
  • A umidade que toca e nutre a nossa pele, a atmosfera única de quando começa a chover e sentimos a alma ser lavada por sensação de hidratação.
  • A interação do nosso corpo e sentidos com as mudanças de estação.
  • A possibilidade de ter alimentos e frutas do jardim para nosso prato nos dá a sensação de ligação e sinergia com a terra.
  • A luz do dia nos despertando e o luar nos chamando ao descanso.
  • O ar que respiramos, quando puro, que nutre nosso organismo,
  • O canto dos pássaros e voos da borboleta, enche nosso momento de poesia.

Estes são apenas alguns pequenos e ricos detalhes da nossa interação com a natureza e a sensação de estar na natureza é uma de pertencimento, de acolhimento!

Pasme: Pelo menos 85% da nossa vida passamos em ambientes internos.

Veja a importância de olhar para esse modo de construir, de ambientar, não se tratando aqui de negar a tecnologia, que e muito bem vinda, mas por incluir a natureza para o nosso bem.

Existem muitos estudos, evidência cientifica e com real comprovação dos efeitos deste modo de habitar com o Design Biofílico incrementando nossas vidas.

Para saber mais: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=FyNer_nQrW4C&oi=fnd&pg=PT9&dq=biophilic+design+health+benefits&ots=y_i0feSRHP&sig=hjfvwZ_O3JTkOT4lG17N2BuWeJM&redir_esc=y#v=onepage&q=biophilic%20design%20health%20benefits&f=false

Vamos aos detalhes do Design Biofílico

Detalhes como janela para uma paisagem faz uma importante conexão (exemplo de diminuição do stress, bem-estar, redução de dor) é muito prazeroso estarmos acompanhando as nuances de mudanças do clima, em tempo real dentro do decorrer do dia, estes itens percebidos pelo nosso sistema automático reafirmam nossa orientação em tempo/espaço.

A luz natural nos faz imenso bem, (escolas cujas salas de aula têm boa admissão de luz natural) a luz solar faz a importante calibração circadiana para que nosso organismo reaja com harmonia e saúde.

Observe a luz provinda do domo superior, dando vida à circulação. Liceu Albert Sabin-Rib. Preto-SP

Padrões de comportamento, o mecanismo de luta e fuga pode ser acionado simplesmente por estarmos em um local escuro ou mal iluminado ou que nos traga a sensação de insegurança.

Sensações provocadas por cor, luz, texturas podem nos causar sensações boas e de segurança quando bem colocadas.

Gostaria de mostrar na prática, a escola Liceu Albert Sabin em Ribeirão Preto que é um projeto do nosso escritório, do Arq. Eduardo Salata Orsi e meu.

Também há hospitais em Singapura e Califórnia, Hotéis mundo afora, já há muitos ótimos exemplos de uso deste padrão do Design Biofílico, esses podem ser respectivamente locais muito apropriados para uma vida feliz, trabalho eficiente, aprendizado maximizado e recuperação rápida da saúde, depende de como o ambiente se apresenta aos nossos olhos e conjunto de percepção.

Listando em detalhes temos 14 padrões do design biofílico:

Na literatura temos esses 14 passos a serem seguidos: (www.terrapinbrightgreen.com)

1- conexão visual com a natureza,

2-Padrões naturais que nos remetem a natureza, ode usamos os nossos sentidos e percepção para nos sentir mais imersos nela.

3-estímulos sensoriais não rítmicos

4-conforto térmico-temperatura, humidade e fluxo do ar

5-presença da água

6- Iluminacão dinâmica que e capaz de acompanhar a temperatura de cor da luz natural

7-conexão com o sistema natural, como as estações do ano.

8-formas e padrões biomórfico ou derivados das formas naturais. Como formato de folhas, de madeira e outros como padrão aplicado em superfícies no ambiente ou mesmo estruturalmente colocados ou em móveis.

9-materiais conectados com a natureza local.

10-complexidade e ordem, ou a hierarquia através de escala no espaço como acontece no meio natural.

11-prospecção-ou a possibilidade de observar e ver o ambiente num panorama amplo e poder sentir a segurança que ele passa.

12-refúgio ou a sensação de segurança dada pelo ambiente em tipos de arranjo de moveis e tipologias especiais de moveis, como por exemplo, os casulos para pequenas reuniões.

13-mistério ou que há mais por vir e fazermos a leitura antecipada desta mudança

14-risco e perigo, algo que possa lhe manter atento, como o risco controlado de uma montanha russa. Gosto do exemplo de guarda corpo de vidro, aos olhos parece que não há proteção,  mas ela está ali.

Eu ainda incluiria mais itens nesta bela e eficiente lista:

pois as interações que temos com nosso planeta são incontáveis e nossos ancestrais já consideravam muitos destes pontos em favor das pessoas daquele grupo, tais como a possibilidade do Grounding como item 15, ou o contato dos pés na terra, a análise Geopática e eletromagnética do lugar como item 16, veja que o processo de interação pode ser rico em detalhes e inclusivo.

Então agora que você já sabe, você pode exigir seu projeto de construção da sua casa, escritório ou reforma com estes parâmetros, sua saúde e qualidade de vida irão fazer muita diferença.

Estamos à disposição para desenvolver seu projeto, agende um horário, teremos prazer em lhe atender.

Você usaria uma sala secreta no seu local de trabalho?

créditos da imagem: Jeenah Moon for The New York Times

Nos Estados Unidos, esta tal sala secreta  para ambientes corporativos tem sido bastante pedida nos projetos,  aos arquitetos e designers. E, talvez, essa pode ser uma tendência despontando mundialmente.

De acordo com o artigo do The New York Times, publicado em agosto passado, sob o título traduzido de  “Se essas paredes ( e estantes) pudessem falar”, relatando sobre  a tendência e como a existência de uma sala secreta gera  um mistério e  comentário,  com isso chama a atenção para a empresa auxiliando memorização da marca, apoia o trabalho de marketing.http:// https://www.nytimes.com/2019/08/13/business/if-only-these-walls-and-bookcases-could-talk.html

A origem da sala secreta e do espaço de trabalho

No final do século XIX e inicio do XX, surgiu a teoria administrativo/científica do trabalho, elaborada pelo engenheiro mecânico, Frederick W. Taylor que se empenhava em melhorar as técnicas industriais, para melhorar  desempenho e eficiência. Esta teoria ficou conhecida como Taylorismo.

Ela também influenciou enormemente a configuração dos locais laborais. O arranjo de planta dos escritórios lembrava a planta industrial, colocando os postos de trabalho como em uma linha de montagem ou sequencia.

Já nas décadas de 50 e 60 nos Estados Unidos, foram desenvolvidas novas configurações e vários sistemas para uso do espaço corporativo. Estas propostas eram novos olhares para o uso e aproveitamento espacial nos escritórios.

O chamado sistema Bull Pen colocou os cargos de chefia nas periferias dos pavimentos.  Na sequência desta proposta, veio o Single Office, como o nome já diz, escritório individual. Na década de 1960 surgiu o Executive Core, onde as chefias foram para o centro do pavimento.

Após muitos experimentos de melhor uso do espaço, chegou a vez do conhecido Open Plan ou planta livre, sua inovação era a integração e exclusão de paredes.

Paralelamente, na Europa foi a vez do Office Landscape ou escritório panorâmico, sem paredes também e totalmente integrado. Estes dois últimos experimentos foram bastante inovadores para sua época.

Imagine um pavimento inteiro de um edifício de escritórios totalmente integrado, onde todos falam com todos, e esta era a busca pela comunicação fluindo sem barreiras.

Porém, após tantos ensaios e desejo de acertar, viu-se em estudos para análise de desempenho do espaço que a equipe ficava sujeita a muitas distrações, sem conseguir se concentrar.

De lá para cá, muito já se pesquisou sobre este tema e a busca por novas maneiras de tornar o espaço de trabalho mais eficiente, amigável e produtivo.

O cenário atual

Hoje a disrupção é muito presente e com ela vem novos questionamentos. A busca ainda é a mesma de aprimorar o ambiente sob todos os aspectos. Por exemplo,  hoje temos em muitas corporações com salas de descanso, cantos de exercício criativo, espaços com mesas altas para reuniões rápidas, espaços para lazer e coffee shop.

Neste cenário, vemos o surgimento da sala secreta. Elas ficam ocultas de todos os  olhares, pois normalmente estão atrás de estante de livros ou parede móvel. Não dá para saber que estão ali, você precisa saber como abrir essa porta oculta, o que nos remete ao conto de Aladim e o famoso abre-te sésamo!

Esta ideia não é nova, pois as grandes pirâmides já tinham  suas câmaras ou salas secretas, castelos medievais, os games e até no filme Harry Potter. Podemos dizer que elas sempre incitaram a curiosidade e descoberta, consideradas um espaço exclusivo, privativo, silencioso e inusitado, bacana!

Conclusões sobre a tendência das salas secretas

O que temos que perguntar é: se a integração total e a conectividade plena dos nossos dias estão abrindo espaço de novo para o isolamento, ainda que por curto período. Será que a concentração e a sutileza de momentos de profunda criatividade estão cobrando seu espaço?

Talvez neste mundo hiperconectado, estejamos precisando de um pouco de solitude, desejosos de privacidade e esta é uma ótima reflexão. Será que a resposta é termos uma sala secreta? Ou continuar a aposta na integração total dos ambientes de trabalho?

O que você acha?

Deixe seu comentário.

Maitê Orsi