Entre o minimalismo o e o maximalismo, qual é a dose certa?

Você já perguntou se a sua casa tem coisas além do que deveria ou menos do que gostaria?

Less is more ou menos é mais!

Nos vemos em um dilema quando falamos sobre nossos ambientes internos, este dilema está em cada objeto, móvel, prateleira, acessório, cor, revestimento, que podemos incluir ou excluir.

Temos que partir para esta nossa análise, se a sua casa ou escritório estejam em ordem e não  passando por um momento de acúmulo temporário, que seria algo prestes a ser resolvido.

Entendendo o Minimalismo:

O minimalismo é um movimento na arquitetura e design que prega e defende o essencial, sem nada que possa ser acessório ao que é estritamente essencial. Podemos dizer que é uma   tentativa de manter o máximo do espaço vazio. Caracterizado por objetos essenciais, cores claras e sólidas. Se caracteriza hoje como um estilo de vida, como tudo na estética, influencia a moda, escolhas de modo de consumo.

Sugiro o filme: Minamalism: a Documentary About the Important Things, disponível no Netflix.

E o maximalismo:

O maximalismo, termo usado aqui em sentido estético, será o seu oposto, onde se esbanja o que é supérfluo, onde a abundância se torna redundante, não há espaço vazio. Caracterizado por cores mais fortes, multiplicidade de peças em cada centímetro do espaço.

More is more ou mais é mais!

Qual a melhor medida?

O dilema está não só no tipo, mas na quantidade, no tipo de serviço ou recurso que este objeto trará para o espaço.

Dilema este que nos coloca uma vontade de saber o quanto somos dos extremos ao meio, como em uma régua graduada de 30 centímetros que inicia-se no mínimo ou o zero, o essencial é a cada milímetro se ganha novas funções e adereços conforme vamos nos dirigindo ao final, dos 30 centímetros ou ao máximo do maximalismo, onde quase tudo soa como exagero e o espaço dá a sensação de não ter um centímetro se quer, sem estar preenchido. 

Ótimo, já temos a nossa escala estabelecida, para termos uma medida para objetos e informações dentro de um ambiente, mas agora temos que considerar o ambiente e aquele que o constrói.

Como o ambiente é uma criação humana, temos que ver isto dentro do contexto humano.

A nossa medida pessoal:

Sem dúvida lembrar que cada um de nós é um indivíduo único, teremos que classificar uma régua infinita, mas assim não vamos chegar as conclusões necessárias, para isto vamos levar em conta alguns traços de personalidade.

Também temos que considerar que o que é exagero para uns estará na medida para outros.

Na dúvida entre “Less is more ou More is more” (Menos é mais ou Mais é mais), fique na sua medida ou se quiser cauteloso fique na média, ou próximo ao meio na régua, mais longe dos extremos. 

O nosso ambiente é a expressão de como somos e como nos sentimos, assim sendo não existe certo ou errado, mas sim o serve para você!

Uma boa palavra talvez seja:  Suficiente, ou aquilo que nos basta.

Ao olharmos o consumo responsável que tem sido um dos aspectos importantes em nossos dias, pois o problema não está no ato de comprar mas na compra compulsiva, em busca de novidade ou termos sempre o que há de mais novo, sem avaliarmos o impacto disso no meio ambiente por exemplo e o quanto estamos acumulando coisas sem propósito em nossas vidas.

Como funciona a questão atualmente:

Acredito que possamos optar por materiais mais qualificados, bom design pois boas peças sempre tem um lugar duradouro nos espaços, veja o exemplo do Vintage. 

O Vintage é  uma referencia à produção plural de bom design no século XX e que representa um selo de qualidade em razão do design atuante e que produziu inúmeras peças que hoje chamamos de clássico, não por serem do estilo clássico mas por terem a durabilidade estética, tornando-as referencia de elegância e qualidade.

Este e apenas um dos exemplos de bom uso da qualidade e design para enriquecerem nosso ambiente visualmente.

Temos espaço para sermos quem somos em nossa casa ou escritório, a estética e as nossas escolhas são uma forma de expressão, a reflexão sobre o tema minimalismo x maximalismo nos leva a olhar para nós mesmos, nosso espaço ou o templo (casa) do nosso templo (corpo) e para o meio ambiente e termos mais conhecimento e segurança para direcionar nossas futuras escolhas do que colocar ou tirar do nosso espaço.

Espero que tenham gostado e gostaria de te perguntar: Na sua casa quem está vencendo, em que medida, lembrando que o zero na régua é o máximo do minimalismo e o 30 é o máximo do maximalismo, onde você está?

Se a duvida ficou grande demais, faca contato que ajudaremos a resolver isso com bom projeto, boa assessoria e ótimos resultados.

Beijos e obrigada por estar conosco.

Maitê 

Qual será o lugar perfeito para acomodar a face? Se respondeu travesseiro ou almofada, acertou! Saiba todos os detalhes sobre esse acessório para usá-lo da melhor maneira.

Só de falar em almofada ja nos sentimos mais relaxados!

A palavra almofada vem do árabe e significa lugar para colocar a face.

Claro que ao pensar em acomodar nossa face pensamos em conforto, segurança, aconchego, textura macia. E veja como há um vínculo com a sensação de conforto que poderá ser desfrutada na acomodação ideal.

Este motivo já dá sentido à persistência deste acessório que acompanha sofás, poltronas e camas desde muito tempo na historia da nossa casa.

E são elas o objeto do nosso estudo aqui, em todos os detalhes para você entender mais e usá-las muito melhor.

Vamos desmontar a almofada em seus todos os seus detalhes:

  1. Contexto ou local de uso.
  2. Tipo de Uso ou função: Adornar, melhorar a ergonomia do móvel onde estão, descanso, e outros
  3. Proporção: Qual a proporção adequada e medidas para a almofada, considerando sempre onde irão ficar.
  4. Enchimento ou estofamento.
  5. Material e textura: Como devem ser confeccionadas e com que material.
  6. Manutenção e limpeza.
  7. Estilo
  8. Cor

Sabendo mais de cada item:

O contexto ou lugar onde ficarão

Contexto significa onde as almofadas ficarão, qual o móvel que irão fazer composição. Ou seja, as almofadas ficarão no sofá ou poltrona. Qual a cor do móvel, a cor das paredes, a cor predominante. As almofadas serão  então contrastantes as cores do ambiente ou tom sobre tom.

Como serão usadas:

Tipo de uso ou função que as almofadas desempenharão, uma delas será embelezar com certeza, mas desempenharão um papel de melhorar a postura ao nos sentarmos no sofá por exemplo ou ainda diminuirão a profundidade do assento para pessoas de estatura menor? Geralmente elas nos auxiliam muito no conforto e ajuste ergonômico ao sentar, pois cada inclinação em graus que deixamos as nossas costas ficarem, estaremos assumindo uma postura mais relaxada ou mais ereta. Ao sentar numa poltrona ou sofá em que o encosto do móvel encontra-se em 120 graus de inclinação por exemplo será muito mais relaxante do que sentimos aos exatos 90 graus. Isto depende da adaptação e preferência pessoal, por isso a almofada desempenha o papel de permitir um ajuste maior e mais personalizado.

As proporções:

A proporção da almofada depende das dimensões do móvel, pois aqui vale a regra de que deve haver equilíbrio entre as dimensões de ambos, almofadas muito pequenas se perdem em moveis grandes e vice-versa. A dimensão mais comum é 50cmx50cm para as quadradas e 50cmX30cm para as retangulares, mas ha muita variação neste item, como por exemplo 45cmX45cm, sem contar que podemos confeccionar em dimensão personalizada.

Estofamento:

Enchimento ou material de estofamento, temos um ótimo exemplo que é a microfibra de poliéster pois é um material robusto e durável, oferece maciez sem deformação e durabilidade. Pode ser de fonte reciclável, o que o deixa melhor ainda, pois respeita o meio ambiente ou é ecoamigável . O material de estofamento deve ser resiliente ou indeformável e hipoalergênicos ou não promover alergia , não deve ter odor e não deve fazer barulho pois há tipos de enchimento cuja composição heterogênea promovem estes resultados desagradáveis.  O material de estofamento deve ser livre de mofo e bactérias pois isso assegura o seu bem-estar e saúde e de toda a família.

O revestimento:

  1. O material de enchimento já foi abordado no item anterior, então falaremos agora do material de revestimento. Podemos usar uma variedade de tecidos, da sarja ao veludo, vamos ver cada um dos mais usados em particular:
  • “fake fur” ou pelo sintético- é um revestimento que acrescenta textura e da uma sensação de conforto pela volumetria do pelo, deve ser usado com cuidado para criar detalhe e não pesar.
  • Microfibra – também são ótimas para dar conforto e maciez, são de material sintético e acrescentam como as “fake fur” um clima de aquecimento.
  • Veludos – são um luxo e dão muita personalidade ao ambiente.
  • Percal – muito usado para quarto, é leve e fresco, tem ótima lavabilidade.
  • Sarjas – são encorpadas e resistentes, ótima lavabilidade, podem ser lavadas até na máquina.
  • Sedas – Sofisticadas e belas, de toque suave e fresco, são encontradas em muitas cores, são muito amistosas para a nossa pele e cabelo. Lembrando aqui que a qualidade de todos os materiais usados, desde o enchimento até o conjunto de revestimento e o acabamento e costura, são itens de muita importância para obter-se o resultado final de sucesso.

A limpeza:

Manutenção e limpeza – a ideia de a capa ou revestimento terem zíper para tirar do enchimento e lavar, acrescenta praticidade e facilidade de limpeza.

O estilo:

Estilo – as almofadas compõe bem desde o ambientes estilo clássico até o contemporâneo. São compositivas, podem acrescentar cor a um ambiente mais monocromático ou suavizar um ambiente que ja tem muita cor. Podem ser lisas, estampadas, geométricas, com botão, pingente, pedraria ou o detalhe que melhor compuser porém lembre-se que ao adornar muito, incrementa-se o visual e se perde no conforto. Sou fã das almofadas lisas ou com um “vivo” que dá arremate e charme. Agora você ja pode dar uma mudada no visual da casa por conta de um detalhe.

A cor:

  1. Cor – elas são ingredientes poderosos para dar toque final em grande estilo, podem ser cores frias ou quentes, neutras ou multicores. Esta escolha dependerá do que ja existe no ambiente ou do contexto. As cores tem regras de complementaridade, contraste, variações do mesmo tom, o famoso tom sobre tom. Aqui é necessário saber como harmonizar o novo com o existente.

São muitos detalhes para um pequeno item dentro do ambiente, mas vale muito a pena elaborar bem, pois o nosso espaço é o abrigo (casa) do nosso templo (corpo). E se queremos ter uma vida mais harmônica, saudável e feliz, vivendo o nosso máximo, cada detalhe conta e temos que cuidar de todos os aspectos que envolvem nosso templo e nossa casa com amor e com conhecimento.

Se assim mesmo está difícil para você vislumbrar soluções ou há mais coisas que deseja resolver realmente na sua casa ou escritório, chame-nos, estamos a disposição para agendar um horário presencial ou on-line.

E você curte um sofá com almofadas? Deixe seu comentário!

Beijos

Maitê 

10 regras de ouro para a escolha de acessórios para a sua sala.

Você já passou pelo dilema de olhar para um móvel na sua sala e pensar:

Ah, falta uma peça aqui, mas o que seria? Tem que combinar, tem que enriquecer o ambiente, mas o que poderia ser?

Os acessórios podem ser vasos, objetos, quadros, mesas de composição, almofadas, tapete e até luminárias, a escolha deve ser cuidadosa.

Para acertar vamos as 10 regras de ouro para a escolha de acessórios:

1-Escala: se você tem uma sala pequena, os móveis e objetos deverão seguir essa escala, não invista em peças grandes.

2-Atmosfera/mood ou estilo: Se sua sala é clássica/tradicional a moderação é necessária, invista em peças que pertençam ao estilo, veja que objetos clássicos compõe facilmente um ambiente clássico, mas uma peça contemporânea/moderna será difícil de se harmonizar.

3-Quantidade: Quantas peças devo colocar? Se você gosta de viver em ambiente clean, aqueles com o número mínimo de peças, terá que ser poucas peças e de muita qualidade. Aqui vale pensar em ícones do design por exemplo.

Porém, se você gosta de ambiente com muitas peças, com lugares todos preenchidos, vale pensar em mais peças.

Não há uma quantidade fixa, vai depender do que o ambiente oferece e comporta.

4-Cor: Essa escolha vai depender do item 2 ou estilo. Se for uma sala Clássica, a paleta de bege, marrons e creme vão ficar muito apropriadas.

Mas se o estilo for moderno, pode ousar mais em cores vibrantes, mas todo cuidado é pouco, a mistura de cores precisa ter harmonia. Por exemplo, escolhi para o sofá cinza, almofadas vermelhas. Ótimo, o vermelho vai comandar a escolha das outras cores.

Os acessórios podem trazer mais personalidade e dar o toque de cor para ambientes em tons neutros ou ainda neutralizar cores dominantes.

5-Harmonia: As peças recém escolhidas tem que combinar, se harmonizar com o que está no ambiente. Harmonia é um modo sútil de dizer que tudo está certo, desde a cor, escala, mood, entre todas as peças. É o diálogo amigável entre tudo que está no ambiente sem confusão.

6-Material: O material expressa muito do estilo ou mood, para ambientes clássicos os metais envelhecidos, tons dourados ficam bem mas no contemporâneo os metais como aço inox, ficam mais harmonizados. A variedade de possibilidades é enorme, o vidro, a resina, cerâmica e tantas outras opções de escolha porém lembre-se que para colocar o objeto dependerá de harmonia.

7-Plantas: São consideradas neutras, seja no estilo clássico ou no contemporâneo, elas farão bela presença, atenção para os vasos ou peças onde elas estão colocadas ou plantadas, essas peças devem se harmonizar com o mobiliário.

8-Respeito ao layout: é uma referência à forma de disposição dos móveis em planta, mas diz respeito às áreas de circulação, não coloque nada que obstrua a passagem. Pequenos móveis ou vasos no lugar errado podem ter um grande potencial de criar nervosismo para quem circula entre eles, claro ninguém gosta de bater em móveis mal colocados.

9-Cantos: Os cantos do ambiente devem ser suavizados, vasos, luminárias de chão, esculturas.

No caso de uso de plantas naturais não se pode esquecer de escolher plantas que se adaptem bem ao interior dispo-las perto de entrada da luz natural.

10-Ponto focal: Podemos com os acessórios criar pontos de interesse no ambiente, ele podem ser responsáveis pelo convite ao olhar com atenção.

Certamente, os ambientes ficam mais belos quando temos as regras e a elaboração necessária. A ousadia pode fazer parte da escolha dos acessórios mas muito cuidado pois pode ser que esse contraste ousado ou escala maior do objeto possam criar uma desarmonia e colocar tudo a perder.

Lembre-se o conjunto vale mais do que a peça em si.

Dica bônus: Os acessórios podem variar de acordo com a estação. A primavera pede flores frescas e descontratação, o outono e inverno pedem por aconchego, o verão clama por frescor. Tirar proveito de cada detalhe renovará a atmosfera do ambiente, as possibilidades são ilimitadas e sem mover uma peça do mobiliário poderá ter um visual totalmente renovado!

Maitê Orsi